Total de visualizações de página

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Clarice Lispector - A hora da estrela

Comecei a me interessar mais por Clarice Lispector ao assistir a última entrevista dada pela escritora, em 1977.

@livrosepaixoes_ / @jumacedoq
Diferente do que muitos pensam, Clarice não escreveu apenas algumas frases bonitas que vemos espalhadas pelas redes sociais.

A profundidade de suas palavras na entrevista me surpreenderam, e passei dias investigando sobre sua vida e lendo algumas de suas obras.

 A hora da estrela é considerada tão significativa pela maneira como é escrita.

Narrada por Rodrigo S. M. a história conta, de forma peculiar, um pouco da vida de uma mulher nordestina que deixa o sertão para viver na cidade.

A personagem é uma pessoa extremamente simples, tanto material quanto psicologicamente, não tendo consciência nem mesmo de si.

Entre a realidade e o delírio que a consumia nos seus últimos dias de vida, Clarice escreveu um livro singular, falando sobre o desamparo a que todos estamos entregues.

Um enredo que faz o leitor transbordar com as mais diversas emoções, e refletir por dias após conhecer a jovem Macabéa e sua vida aparentemente miserável. Não há palavras para descrever. Simplesmente incrível.




terça-feira, 10 de abril de 2018

Outros jeitos de usar a boca - meus poemas preferidos

@livrosepaixoes_ / @jumacedoq
"Outros jeitos de usar a boca é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade." 

Dividido em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura, Rupi Kaur consegue expressar no livro o que milhares de mulheres sentem e, muitas vezes, não compreendem.

Deixo aqui para vocês alguns dos poemas que mais gostei para terem uma ideia do quão incrível é a obra!





































Assassinato no Expresso do Oriente - Livro de Agatha Christie

O Assassinato no Expresso do Oriente revela um grande mistério quando um passageiro é morto durante a noite em um dos compartimentos do trem.

@livrosepaixoes_ / @jumacedoq
Por sorte, Hercule Poirot, um aclamado detetive, estava nessa viagem e assume a investigação do caso dentro da locomotiva, que estava parada devido a uma forte nevasca.

Logo, Poirot descobre que Ratchett, o homem que fora encontrado morto, era na verdade um fugitivo dos Estados Unidos chamado Cassetti. Cinco anos antes, Casseti havia raptado e matado uma criança chamada Daisy Armstrong, de apenas três anos.

Com isso, todos os passageiros são investigados, e a trama se desenvolve a medida que, cada vez mais, o crime parece não ter uma solução concreta.

Quem será o culpado?

Ratchett merecia o castigo de ser morto com 12 facadas?

É o que, mais uma vez, Agatha desvenda de forma maravilhosa.



terça-feira, 3 de abril de 2018

Não estava

Eu me entreguei sem saber suas intenções, acreditando que aquilo seria apenas uma aventura, algo passageiro. Eu só queria curtir o momento. No dia seguinte a vida seguiria normalmente.

Mas não foi assim que aconteceu.

Eu um final de semana eu fui capaz de me envolver mais do que poderia imaginar. Capaz de me apegar a algo que eu mal conhecia.

Agora te vejo online, não falando comigo, e sofro. Como isso é possível?

Como é possível eu sentir saudade, sentir tantas borboletas no estômago por alguém que não sei nem a data de aniversário?

Foram dois meses de conversas, de desencontros, mas de algo tranquilo. Algo que não era pra se tornar o que tornou para mim: um grande aperto no peito.

Sinto um aperto no coração, uma dúvida, um medo.

Será que você também pensa em mim?

Parece um feitiço que me atingiu de repente. Eu não estava preparada para me apaixonar novamente.

Desabafos de mais uma madrugada

sábado, 24 de março de 2018

Em um bosque muito escuro - livro de Ruth Ware

Impossível começar esse post de outra maneira.

@livrosepaixoes_ / @jumacedoq
Antes de mais nada quero deixar registrada aqui a minha gratidão pela amiga virtual que me enviou este livro incrível.

Confesso que não conhecia o título, mesmo descobrindo mais tarde o quanto ele é famoso.

E a fama tem motivo: o livro é extraordinário!

Em um bosque muito escuro faz parte da coleção Luz nera: a revelação do novo suspense, da editora Rocco, e conta a história de Lee, ou melhor, Nora.

Leonora, uma jovem escritora de 26 anos, se vê totalmente em conflito quando recebe um e-mail sendo convidada para a despedida de solteira de sua antiga melhor amiga, Clare.

Nora e Clare não se vêem há dez anos. Desde que a primeira terminou com seu namorado aos 16 anos e resolveu deixar, misteriosamente, a cidade em que vivia.

A única coisa que Nora consegue pensar é: por que eu? por que agora?

Depois de tanto tempo afastada, e com um segredo que poucos sabiam, ela sentia que seria um erro passar o final de semana em uma casa isolada com pessoas que ela mal conhecia, mas acaba fazendo um trato com Nina, que também estudou com ela na juventude, e, na segunda sexta-feira do mês de novembro, as duas embarcam rumo ao lugar que revelaria um grande mistério.

A sensação ruim não passa quando Nora avista a casa, que parece um enorme caixote de vidro cercado por um bosque muito escuro.

Mas tudo se complica quando Clare chega ao local e revela para Lee com quem ela iria se casar: James Cooper. O ex namorado da amiga. Aquele que havia terminado com ela através de uma mensagem de texto há dez anos. Aquele que Nora não passou um dia sem pensar durante os dez anos. Aquele que era a única pessoa que sabia de seu segredo.

Apesar de tentar manter o equilíbrio com essa informação, coisas estranhas começam a acontecer naquela fria e sombria casa...

E o restante vocês terão que ler para descobrir!

Me perdoem se deixei curiosos, mas é que perderia a graça revelar o restante da história, que é MUITO surpreendente.

Se você gosta de um suspense, garanto que irá amar, e vale a pena!

segunda-feira, 19 de março de 2018

Orgulho e preconceito - livro

O que mais me impressionou nesse livro, com certeza, foi o fato de ser leve e, de certa forma, muito atual, mesmo sendo sido escrito há mais de duzentos anos.
@livrosepaixoes_

Orgulho e preconceito
é um romance da escritora britânica Jane Austen e conta a história de Elizabeth Bennet - a segunda de cinco filhas de um casal rural na cidade de Meryton - e sua família peculiar.

Lizza, como é chamada a segunda filha, e Jane, a primogênita, parecem ser as únicas que possuem algum senso na família, e encontram grandes desafios ao ter que lidar com uma mãe que vive com os nervos à flor da pele, um pai muito reservado e três irmãs com personalidades muito diferentes das
duas mais velhas.

Tudo se  complica ainda mais quando chegam à cidade o jovem e rico Sr. Bingley acompanhado por seu amigo Sr. Darcy - pessoas que causam grandes alvoroços entre a família Bennet.

Além de ser uma das mais comoventes histórias de amor já escritas, pode ser vista também como um estudo profundo da sociedade de seu tempo, abordando questões que atualmente sofrem grandes transformações.

Confesso ter achado a adaptação para o cinema um pouco "sem sal", mas o livro com certeza merece ser muito apreciado, um verdadeiro clássico da literatura ❤.





quarta-feira, 7 de março de 2018

O apanhador no campo de centeio - livro

Provavelmente você já ouviu esse título, né?!
@livrosepaixoes_
E por que ele é tão famoso?

O Apanhador No Campo De Centeio conta um pouco da história de um enigmático menino chamado Holden Caulfield, que é membro de uma família abastada de Nova Iorque.

No auge de seus 17 anos, Holden enfrenta grandes crises existenciais e profundas reflexões sobre a curta vida após ser expulso da escola por seu mau desempenho acadêmico.

O romance se passa no ano de 1949, e narra um conturbado final de semana do jovem.

Acredito que o livro ainda é tão famoso, apesar de tratar-se de uma obra de quase 70 anos, por abordar questões muito aplicadas na atualidade, retratando uma sociedade fútil que constitui um mundo cada vez mais frio e insensível.

E é nesse ponto de Holden toca. 

Cansado de uma sociedade que vive de aparências, Caulfield vê o mundo com seu próprio olhar de espanto, embarcando sem rumo no seu universo depressivo a fim de tentar encontrar alguma sinceridade nas atitudes humanas. 

Um livro totalmente peculiar (inclusive o título, que é explicado em uma passagem da história) e que merece muita atenção, já que, apesar de aparentar um tom casual, aborda questões profundas que rodeiam a humanidade.

Uma história simplesmente incrível, que, retratando a visão de um singular adolescente, merece ser a atenção de leitores de qualquer faixa etária por apresentar críticas tão bem construídas!

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Quando Nietzsche Chorou - minha experiência e breve resumo do livro :)

Tudo começou quando tive que assistir ao filme para um trabalho de filosofia.

Já havia escutado incontáveis vezes minha mãe falar sobre ele, que era maravilhoso e coisa e tal, mas não esperava tanto.

Nem acreditei quando os créditos começaram a rolar, parecia que eu tinha acabado de começar a assistir!

De cara me apaixonei, e decidi que teria que ler, imediatamente, o livro que inspirou aquela obra maravilhosa.

Pedi emprestado para uma amiga que eu sabia que tinha o livro em casa e, no dia seguinte, já estava com ele nas mãos.

Mas não foi uma tarefa fácil.

Apesar de ter ficado super ansiosa e pela leitura, eu estava no ápice do terceiro ano, naquela correria louca que vocês imaginam, né?!

Por isso, demorei consideravelmente para finalizar a leitura, mas valeu a pena o tempo investido!

Quando Nietzsche Chorou narra o nascimento fictício da psicanálise de uma forma totalmente envolvente e instigante.

Tudo começa quando Lou Salomé, uma jovem e encantadora mulher, procura o renomado Doutor Josef Breuer a fim de conseguir que o médico trate de seu atormentado amigo Friedrich Nietzsche. 

No entanto, não é uma tarefa fácil.

Nietzsche, filósofo que sofre de grandes crises de enxaqueca, já havia passado pelos mais variados médicos e encontrava-se já desiludido quanto ao seu tratamento.

Após muita resistência, Dr. Breuer - que estava em uma situação de fixação sexual por uma paciente - tem a ideia de inverter os papéis: ele se tornaria o paciente e, o filósofo, seu médico.

A partir disso, ambos, aos poucos, conquistam  a confiança do companheiro, dando ao livro uma trama maravilhosa e surpreendente, envolvendo filosofia, psicanálise e uma dose e tanto de humanidade.

Não entrarei em maiores detalhes para não dar spoiler hehe mas recomendo a todos que se interessam por essa área, pois foi assim que Quando Nietzsche Chorou tornou-se um dos meus livros preferidos!